Senado aprova voto distrital misto para eleição de deputados e vereadores

Talita Fernandes – Folha de São Paulo

21/11/2017  18h46

O Senado aprovou nesta terça-feira (21) dois projetos de lei que estabelecem o voto distrital misto. Se confirmado pela Câmara, o texto pode alterar a forma como hoje são eleitos vereadores e deputados.

Foram submetidos conjuntamente à votação propostas apresentadas pelos senadores José Serra (PSDB-SP) e Eunício Oliveira (PMDB-CE), presidente do Senado. A aprovação se deu por 40 votos favoráveis e 13 contrários.

O texto agora segue para a Câmara, onde os deputados devem decidir por um dos dos projetos. Contudo, mesmo se for aprovado pelas duas Casas, não terá validade para as eleições de 2018.

Isso porque a Constituição estabelece que as regras eleitorais só têm validade se tiverem sido aprovadas pelo menos um ano antes da disputa.

O voto distrital misto é a combinação de dois sistemas. O majoritário —que é aplicado atualmente para eleição de governadores, senadores e presidente— e o proporcional, como são eleitos atualmente deputados e vereadores.

A Justiça eleitoral será responsável por estabelecer distritos nos Estados. Será levado em conta o número de assentos que cada unidade federativa possui na Câmara, por exemplo, para escolha de deputados federais.

No caso de São Paulo, serão criadas 35 divisões.

O eleitor votará duas vezes: em um candidato do seu distrito e em uma lista fechada, estabelecida pelo partido, que conterá candidatos de todo o Estado.

As vagas são preenchidas obedecendo dois critérios: cada partido terá o número de cadeiras levando em conta a proporção dos votos em lista. Os deputados distritais serão distribuídos por esse parâmetro.

Caso o número de distritais eleitos por uma sigla supere o total de cadeiras que ela tem direito, duas possibilidades serão abertas, a depender de qual dos projetos os deputados vão apreciar.

Se a Câmara optar pelo texto de Eunício, o projeto pode abrir espaço para que seja aumentado o número de deputados federais, atualmente estabelecido em 513, para acomodar um possível excedente dos distritais.

Já o projeto de Serra prevê que os adicionais ocupem a vaga de um dos deputados eleito em lista.

A adoção do modelo distrital na votação para o Legislativo foi intensamente debatida na reforma política que movimentou o Congresso neste ano, mas não foi aprovada a tempo de valer para as eleições do ano que vem.

Os dois projetos preveem que municípios com menos de 200 mil eleitores, a escolha dos vereadores será feita seguindo o modelo atual de proporcionalidade.

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account