AESBE Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais


Embasa flagra 13 lava a jato e um depósito de bebidas com abastecimento irregular no bairro de Canabrava, na capital

Publicado em: 19/05/2017

Dando prosseguimento às ações de combate a fraude realizadas pela Empresa Baiana de Águas e Saneamento S.A. (Embasa) em sua área de atuação, técnicos da empresa encontraram e desfizeram oito ligações clandestinas que abasteciam, irregularmente, 13 lava a jato e um depósito de bebidas na rua Artêmio de Castro Valente, em Canabrava.
 
Realizada em conjunto com as polícias Civil e Militar e o Departamento de Polícia Técnica, a operação apreendeu equipamentos e conduziu duas pessoas à delegacia, que foram ouvidas e liberadas por não serem proprietários dos lava a jato.
 
Com o objetivo de intensificar o monitoramento e a fiscalização dos casos de fraudes na Região Metropolitana de Salvador (RMS), a Embasa conta com 50 equipes de campo que trabalham diariamente para combater o furto de água em suas redes. Com isso, cerca de 26 milhões de litros de água deixaram de ser desviados mensalmente por lava a jato clandestinos, em 2016, na RMS.
 
De acordo com o superintendente de serviços de água e esgoto da Embasa, Cesar Requião, o uso ilegal compromete o abastecimento de água e prejudica o cidadão. “Quem usa água de forma clandestina não se preocupa com o desperdício, o que prejudica o serviço. Além de compromete a distribuição na cidade, o furto de água obriga a Embasa a realizar mais investimentos para suprir o volume desviado. Estamos vivendo um período de poucas chuvas e os níveis de nossos mananciais estão baixos, por isso estamos intensificando estas ações. As pessoas podem colaborar denunciando e não utilizando os serviços desses estabelecimentos”, afirma.
 
Crime previsto em lei | A prática de furto de água é qualificada como crime contra o patrimônio, de acordo com o artigo 155 do Código Penal Brasileiro, cujo parágrafo 3º, ao tratar de furtos, equipara “à coisa móvel a energia elétrica ou qualquer outra que tenha valor econômico”. A pena prevista na lei é reclusão de um a quatro anos, além de multa. Quem for pego em flagrante irá responder criminalmente. Caso o infrator seja maior de idade, será conduzido a uma delegacia onde o auto de prisão será lavrado. Os menores de idade serão conduzidos para a Delegacia para o Adolescente Infrator (DAI). A população pode denunciar os casos de fraude ligando para o teleatendimento da Embasa, no telefone 0800 0555 195.
 

Fonte: Assessoria de Comunicação da Embasa

Comentários

Comentar

 

Esqueci a senha

 
 

Empresas Associadas

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600