Comunicados são distribuídos para alertar usuários sobre esgoto

A partir desta quarta-feira (15), os moradores do conjunto Vingt Rosado, em Mossoró, estarão recebendo comunicados impressos sobre a necessidade de permitir o acesso da Companhia de Águas e Esgotos do Rio Grande do Norte (Caern) à rede de esgoto do tipo condominial instalada no interior das residências. O Ministério Público de Mossoró foi acionado, após corriqueiramente a Caern, ouvir negativa de usuários que não permitiam o acesso da equipe ao interior das residências para realização de manutenção, além de não permitir a quebra da calçada para encontrar as caixas de manutenção de esgoto cobertas por pisos.
Na análise do chefe da Unidade de Manutenção de Esgoto de Mossoró, Francisco Bernardino, é que quando o usuário não está com obstrução, impede o acesso da Caern porque o problema é de outra pessoa. No sistema de esgoto condominial, como o sistema é interligado, o problema de uma casa está sendo provocado por outra residência. Por vezes, a obstrução pode ocorrer em um local, mas o transbordamento ser constatado em outra residência. A falta de entendimento neste sentido prejudica o sistema e os usuários que integram o mesmo.
O Ministério Público recomendou que a Companhia distribuísse os comunicados alertando a população sobre a necessidade de acesso às residências para manutenção, podendo as pessoas que obstruírem o trabalho da Companhia, serem acionados de acordo com as medidas previstas na Lei 9.605/98, de Crimes Ambientais.
CONDOMINIAL
O sistema condominial de esgoto tem este nome porque assemelha-se ao sistema de edifícios. Em razão deste nome, algumas pessoas acham que ele atende apenas a prédios o que não é verdade. Em Mossoró, o sistema de esgoto condominial está implantado em residências do conjunto Vingt Rosado, Nova Vida e Santa Delmira. Diferente da tubulação do tipo convencional que é implantada na frente das residências, a rede de esgoto condominial é implantada nos quintais das casas. A tubulação (ramal condominial) passa de lote em lote, pelo caminho mais fácil, recolhendo os esgotos das caixas de cada residência até chegar à rede coletora que passa na rua principal.
No sistema do tipo condominial é cobrada uma tarifa mais barata do que o sistema convencional. Por ter o sistema em seu quintal, o usuário deve cuidar do ramal, suas instalações internas, caixas de passagem e de gordura. A rede não é individual e sim coletiva. Por este motivo, obstrução em uma das residências pode gerar transtorno para um vizinho ou até um morador de uma residência na mesma rua.
Entre as recomendações para quem é atendido por este sistema é não jogar lixo dentro da rede. Aliás, este é o principal problema verificado pelas equipes de manutenção da Companhia. Outra recomendação é que avise à Caern sempre que for fazer ampliação ou reforma que afete o local onde está a caixa de esgoto. Em Mossoró, a equipe já encontrou caixas de esgoto que ficaram embaixo de cômodos dentro das residências. Este é um grande transtorno não só para a Companhia, como para o usuário que terá de ter o piso de sua residência quebrado para permitir o acesso à caixa de esgoto.
As obstruções também ocorrem porque os usuários canalizam erroneamente a água das chuvas para o sistema que não está preparado para receber adequadamente uma grande quantidade de água de uma única vez. O correto é jogar as águas pluviais na rede de drenagem. As caixas de esgoto devem ficar com tampas de forma acessível e não concretadas. É importante os moradores não deixarem entulhos e outros objetos permanentemente em cima das caixas de esgoto.

Fonte: Assessoria de Comunicação da Caern

 

AESBE - Associação Brasileira das Empresas Estaduais de Saneamento

SCS - Quadra 01 - Bloco H - Edifício Morro Vermelho - 16º andar - CEP: 70399-900 - Brasília-DF - Tel/Fax.: 55 61 3022-9600

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account